Venda de Imóveis

  • Canteiro de obras da Trisul Foto Marcelo Scandaroli 017 715x400A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) projeta crescimento do faturamento deflacionado do setor de 1,5% neste ano, mas o novo presidente da entidade, Rodrigo Navarro, avalia que a expansão pode ser mais acentuada. "Se forem mantidas as condições favoráveis no Brasil e fora, poderemos revisar a estimativa para cima", disse em sua primeira entrevista desde que assumiu o cargo em 1º de fevereiro.
  • a caixa2A Caixa publicou nesta terça-feira (11/6) edital para a venda de 6.013 imóveis, divididos em dois lotes, e espera arrecadar pelo menos R$ 1,17 bilhão com a operação. Cerca de 95% deles são classificados como residenciais.
  • CAIXA Lanca Edital Venda Seis Mil Imoveis Dois Lotes Marcelo PrataDe forma inédita, a Caixa comercializará imóveis em todo o país no atacado. Na última segunda-feira foi publicado o edital com as regras e a relação dos imóveis disponíveis. São 6.013 imóveis ofertados, sendo cerca de 95% deles classificados como residenciais, divididos em dois lotes com aproximadamente 3.000 cada um.
  • Animation2Nos primeiros quatro meses do ano, as vendas líquidas foram de 25.514 unidades, expansão de 37,1% 
     
    As vendas e lançamentos de imóveis cresceram em abril no País. O aumento abrange especialmente aqueles projetos dentro do setor de médio e alto padrão, que vinham mostrando uma recuperação vagarosa, de acordo com estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) feita em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).
  • 65vtv5mz45 1ldbm282aw fileO administrador de empresas Marcel Portugal de Oliveira aproveitou a melhora do mercado imobiliário para financiar parte de um imóvel para onde pretende se mudar em breve.
     
    Ele conta que "vinha procurando por imóveis há algum tempo", mas percebeu que este era o "momento melhor" para concretizar a compra. 
     
    — Desde quando estourou a crise, os preços se contiveram e, em alguns casos específicos, como o meu, se abriram oportunidades interessantes e razoáveis de compra.
     
    O discurso de Marcel aparece alinhado com as expectativas do setor, que deu seus primeiros sinais de retomada já no segundo semestre de 2017, após bater o ‘fundo do poço‘ nos dois anos anteriores. A aposta agora é de que o setor volte a lançar unidades e a gerar empregos já nos próximos meses.
  • size 590 casa calculadora 1Nesta ano a Receita Federal passou a pedir mais dados dos contribuintes, como endereço do bem e matrícula; mudança só será obrigatória em 2019
     
    Quem comprou ou vendeu um imóvel em 2017 precisa declarar o negócio do Imposto de Renda de 2018. Caso o contribuinte possua o bem há mais anos, é preciso listar essa informação no documento enviado à Receita Federal. A novidade em 2018 é que a Receita vai pedir mais dados sobre o imóvel este ano.
    O contribuinte terá que informar o endereço do bem, o número de matrícula, IPTU e data de aquisição do imóvel, mas esta informação será opcional. A exigência passará a valer apenas em 2019.
     
    De acordo com a Receita Federal, deverá declarar, neste ano, o contribuinte que recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2017. O valor não foi corrigido em relação a 2016.
     
    Veja como declarar corretamente a compra e venda de seu imóvel:
  • vendaimovO mercado imobiliário passa por uma constante qualificação. Hoje, assuntos como a exclusividade na venda já não geram tanto receio por parte do cliente, quando o corretor ou a imobiliária conseguem demonstrar as vantagens dessa modalidade de venda. Entretanto, aquele proprietário que possui mais pressa em vender seu imóvel, pode não demonstrar um interesse imediato na exclusividade, preferindo divulgar seu imóvel para diversos corretores e imobiliárias diferentes, o que poderá causar alguns transtornos.

  • 64882672ddb7b88d576d73e63837cb69 1OS LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DA REGIÃO SALTARAM DE 547 EM 2016 PARA 1.519 NO ANO PASSADO, DIZ CBIC
      
    O volume de imóveis vendidos na Região Metropolitana de Maceió cresceu 160% no ano passado, na comparação com 2016, segundo levantamento divulgado ontem, pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Segundo o estudo, feito em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), trata-se do maior crescimento percentual do País. Em números absolutos, foram comercializados 2.816 imóveis no ano passado, contra 1.083 registrados em 2016.
     
    De acordo com a CBIC, a Região Metropolitana de Maceió abrange, além da capital, os municípios da Barra de São Miguel e Rio Largo – área com 828.408 domicílios onde vivem 2,42 milhões de pessoas. 
     
    O levantamento mostra ainda que os lançamentos imobiliários da região saltaram de 547 em 2016 para 1.519 no ano passado, um crescimento de 177,7%. Também houve crescimento de 27% na oferta de imóveis novos na Região Metropolitana de Maceió. Foram 5.409 unidades no ano passado contra 4.260 em 2016.
  • imoveisO mercado imobiliário nacional apresentou no segundo trimestre expansão de lançamentos e vendas, além de queda nos estoques, de acordo com levantamento divulgado ontem pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), que abrange dados de 21 cidades e regiões metropolitanas.
  • f13jp7n3uczh0jskv2u54jrmiAs vendas e os lançamentos de imóveis começaram o ano com um crescimento elevado, de acordo com pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) feita em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).
     
    As vendas líquidas (já descontados os distratos) de imóveis novos (na planta, em obras e recém-construídos) consolidadas no mês de janeiro totalizaram 6.277 unidades, um avanço de 45,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. As vendas líquidas no segmento de imóveis de médio e alto padrão atingiram 1.286 unidades, alta de 76,0%. Já no segmento popular, enquadrado no Minha Casa Minha Vida (MCMV), foram 5.128 unidades, aumento de 36,7%.
     
    Por sua vez, os lançamentos consolidados no mês de janeiro totalizaram 3.414 unidades, um crescimento de 62,9% na comparação anual.
  • 1Segundo balanço da CBIC, redução dos lançamentos no primeiro trimestre indica que confiança dos consumidores é maior que a dos incorporadores
     
    Entre janeiro e março de 2018, as vendas de unidades residenciais cresceram 22,3% no Brasil, em comparação com o primeiro trimestre do ano anterior. No entanto, a recuperação do mercado imobiliário, iniciada no final do ano passado, ainda não foi suficiente para estimular as empresas a lançarem novos empreendimentos. As vendas superaram os lançamentos – que tiveram uma queda de 30,7% no período – em exatas 14.138 unidades, número que representa 57,2% do total vendido. Estes dados são alguns dos destaques do estudo “Indicadores Imobiliários Nacionais”, iniciativa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), em correalização com o Senai Nacional, divulgado nesta quarta-feira (30/5).
  • vend444Alta na comparação com 2017 foi de 32%
     
    As vendas de imóveis no país no 2º trimestre de 2018 apresentaram alta de 17,3% em relação aos primeiros 3 meses do ano. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 32,1%.
 logo22
 
Os artigos e matérias assinadas nesta Revista Construção Civil & Mercado Imobiliário
são de responsabilidade dos seus autores.
Av Antônio Gouveia, 1113
Galeria Arte Pajuçara - sala 04
Pajuçara, Maceió
Alagoas CEP 57030-170

Tels: (82) 3185-5277 | 99974-8983
99946-8767 | 99689-44922

Siga-nos em nossas Redes Sociais

Copyright © 2017 Revista Construção Civil & Mercado Imobiliário.
Powered by Web na faixa.